top of page
Buscar

Polifenóis: da videira ao consumidor

Esses compostos não trabalham apenas pelo bem-estar das pessoas, mas também das plantas



O Paradoxo Francês, expressão utilizada para referir a contradição existente entre a alimentação rica em gordura dos franceses e baixa incidência de morte por doença cardiovascular, ligando principalmente o hábito de beber vinho com a saúde. A teoria defende, no entanto, que não basta apenas ingerir a bebida, mas que o hábito deve fazer parte de todo um estilo de vida. Com o passar do tempo e dos estudos realizados a base dessa discussão centrou-se nos polifenóis.

Os polifenóis são metabólicos secundários elaborados pela videira como mecanismo de defesa por situações de estresse (crescimento, estresse hídrico, sol, micro-organismos, dentre outros). Estes compostos são concentrados em especial na casca e na semente e são transferidos para os derivados da uva conferindo características essenciais, como acidez, adstringência e cor. Assim como eles respondem pela saúde da videira, também contribuem para a nossa saúde. Existem inúmeros experimentos científicos que demonstram os efeitos benéficos no consumo destes compostos, dentre eles: antioxidante, anti-inflamatório, proteção cardiovascular e pelo equilíbrio da microbiota.


O consumo moderado de uma taça (para mulheres) e de duas (para homens) por dia, ambas de 120 ml, reduz a mortalidade por doença cardiovascular entre 24% e 31%. O assunto é longamente debatido no artigo de nome Wine Polyphenol Content and Its Influence on Wine Quality and Properties: A Review, publicado por Rocio Gutierrez Escobar, Maria Jose Aliano Gonzalez e Emma Cantos Villar na revista cientifica Molecules e também foi tema do Bella Ciao conduzido por mim no dia 15 de março (você pode acessar a aula completa ao final deste artigo).


Compostos do vinho

O vinho é composto por água, álcool e alguns metabólicos, como os compostos hidrogenados, polifenóis, carboidratos, minerais e ácidos orgânicos. Como destaquei no início deste artigo, eles são produzidos em razão do estresse pelo qual a videira passa. É uma espécie de anticorpo da planta que permanece na uva e em todos os seus derivados. Os polifenóis são influenciados por fatores externos, como temperatura, oferta de água e os raios UV. Como a enologia ensina, quanto mais deficiência de água para a videira, maior será o grau Brix [escala numérica de índice de refração de uma solução, utilizada para determinar, de forma indireta, a quantidade de compostos solúveis numa solução de sacarose, utilizada geralmente para suco de fruta].


Existem duas grandes classes de fenólicos: os flavonoides – responsáveis por alguns taninos e pelas antocianinas, que dão coloração para o vinho – e os não-flavonoides, onde o resveratrol é o composto químico mais conhecido. A uva é uma fruta que possui mais de 8 mil compostos fenólicos e já foram atribuídos a eles ações antimicrobianas, antioxidantes, anti-inflamatório, vasodilatora, etc. Mas tenham muito cuidado: muitos desses estudos foram feitos apenas in vitro, em laboratório, ou seja, utilizando polifenóis isolados e não fazendo testes com humanos. Por essa razão, é contraindicada a suplementação por polifenóis isolados, sendo sempre indicado a ingestão dos derivados da uva, lembrando sempre com a devida moderação. Veja, a seguir, os principais componentes químicos do vinho de uma forma bastante didática (em inglês).



Todos os polifenóis definem em grande parte a qualidade do vinho, devido à sua contribuição para suas propriedades sensoriais. Sua quantidade depende do contato com as partes da uva e das escolhas enológicas, como o uso ou não de maceração malolática que fará com que o ácido málico se transforme em lático modificando o perfil dos polifenóis. Na uva eles estão relacionados diretamente com a casca, polpa e sementes. Na casca se apresenta o resveratrol, inclusive, enquanto na polpa se fazem presentes as antocianinas (responsáveis pela cor) e nas sementes estão os taninos. Como se vê, vários fatores influenciam para a maior ou para a menor extração de compostos fenólicos, como o próprio vinhedo, seu fruto, a elaboração do vinho e também sua estocagem.


As castas tintas têm mais polifenóis que as brancas e as Viníferas se comportam do mesmo modo em relação à variedade Labrusca. Isso está relacionado com o grau de estresse sofrido pela planta e sua relação com certos parâmetros envolvidos com o terroir. Ter maior quantia de uvas para produzir vinhos também redundará em menor número de polifenóis. A maior ou menor viabilidade de água é mais importante que a temperatura e as horas de sol. Um estudo brasileiro provou isso mostrando que a quantidade de polifenóis na Syrah era maior na Chapada Diamantina do que em Pernambuco, em virtude do solo e do clima temperado. Como Pernambuco, que tem clima mais quente, propiciou menor quantidade de produção desses compostos. O Merlot da Serra Gaúcha também é rico em polifenóis, diferentemente da casta colhida em outras regiões do país. Já na Espanha se descobriu que o terroir é mais importante que o cultivar propriamente dito. Também se descobriu que os bioestimulantes, obtidos a partir de plantas, como broto de vinhedos ou extratos de carvalho, provaram ser uma ferramenta útil para aumentar a concentração de compostos fenólicos em uvas e vinhos.


A fase mais importante para conseguir polifenóis de qualidade no vinho é o processo pré-fermentativo. Nessa fase, a casca da uva se rompe facilmente quando exposta a uma temperatura acima de 70 graus por um curto período de tempo, lembrando que o álcool só se tornará presente no processo seguinte. A adição de enzimas pode ajudar a extrair mais polifenóis também, enquanto a maceração carbônica longa não é tão benéfica quanto a curta, tendo em vista a presença de oxigênio, pois pode oxidar pela perda do hidrogênio.


A estocagem correta dos vinhos também é algo definidor para a qualidade dos polifenóis. A temperatura ideal é de 15 graus, mas a partir de 25 graus já existe perda destes compostos. Sem contar que a variedade vinífera utilizada no vinho também pode tomar o mesmo caminho. Outro estudo espanhol evidenciou que um vinho envelhecido por seis meses em uma garrafa apresentou perda de 66% dos polifenóis para a Cabernet Sauvignon e de 43% para a Tempranillo. Parte dos polifenóis também são transmitidos para a bebida por causa da passagem pelas barricas de carvalho. A ação do polifenol, que ganha complexidade com a barrica, forma mais polímeros e faz com que tenhamos vinhos com menos taninos, principalmente pela polimerização, ou seja, moléculas maiores que fazem com que a adstringência reduza.


A dieta mediterrânea ensina que o vinho exercerá uma função benéfica para a saúde se vir acompanhado de outras iniciativas muito importantes, como atividade física regular, consumo frequente de água e o convívio com as pessoas. A uva e seus derivados, como podemos aprender neste artigo e na aula do Bella Ciao, são ricas fontes de polifenóis e saber equilibrar a ingestão desses elementos com parcimônia definirá como podemos viver ainda melhor.



Sobre a autora: Caroline Dani é Diretora de Relacionamento com Alunos da ABS-RS. Sommelier profissional formada pela ABS-RS/ABS-SP. Possui graduação em Biomedicina pela Universidade Feevale (2004), mestrado (2006) e doutorado (2008) em Biotecnologia pela Universidade de Caxias do Sul (2006). Pós-doutorado na Georgetown Lombardi Comprehensive Cancer Center na Georgetown University, Washington, DC, EUA. Atualmente é professora do do Programa de Pós Graduação em Farmacologia e Terapêutica da UFRGS. Pós-Doutoranda na UFRGS. E membro da Comissão de Segurança e Saúde da OIV no Brasil. Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Bioquímica da Nutrição.



コメント


LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA

Frame (2).png
bottom of page