top of page
Buscar

Phylloxera e sua história

Esse foi um dos momentos mais trágicos para a vitivinicultura mundial




Você já deve ter ouvido a expressão pré ou pós filoxera. Sim, esse foi um dos momentos mais trágicos para a vitivinicultura mundial. Filoxera é utilizada para se referir ao inseto e a doença que ele dá origem. Este será o tema que abordarei no artigo a seguir e que também debati no Bella (veja o vídeo na íntegra ao final deste post).


Phylloxera é o nome dado tanto à doença quanto ao pequeno inseto, um tipo de pulgão. Ele mede de 0,3 milímetro a 3 milímetros e ataca várias partes das videiras em diversos momentos do seu ciclo de vida. A praga pode acometer tanto os galhos mais diretamente, assim como as raízes da planta. A filoxera conclui seu ciclo evolutivo alimentando-se da seiva e leva à morte prematura da videira. Outro importante detalhe cientifico é que as fêmeas conseguem se reproduzir sem a presença de um macho. Isso a torna ainda mais patogênica dizimando grandes vinhedos.


Em meados do Século 19 ocorreu uma grande disseminação da filoxera no continente europeu, levando à ruína a indústria vinícola francesa, ainda que tenha atacado outros países, como Portugal e Itália, por exemplo. Porém, como ela chegou lá? Entre as inúmeras justificativas, uma delas está ligada às espécies de Vitis sp. Como a ciência explica, além da Vitis vinífera, de origem europeia, também existem as variedades americanas, como Vits riparia, Vitis labrusca e Vitis rotundifolia. Notadamente, as americanas são mais resistentes ao inseto causador da filoxera, enquanto a europeia é muito mais sensível. Na tentativa de levar as espécies americanas para Europa, tendo em vista sua resistência, o inseto acabou sendo transportado junto.


A solução para disseminar a praga partiu de George Husmann, um alemão radicado no estado do Missouri, nos Estados Unidos. Foi justamente ele que descobriu a resistência das Vitis labrsuca, conhecida como americanas, em contraposição à sensibilidade da Vitis vinifera, conhecida como europeia. Ele fez experimentos com hibridas onde criou um porta-enxerto que resiste à filoxera. O processo consiste em plantar raízes de americanas e enxertar a europeia que será a responsável pelos frutos propriamente ditos. A ele coube salvar a vitivinicultura mundial possibilitando o replantio das videiras. Outras alternativas facilitam ou dificultam a existência da filoxera. Solos arenosos, por exemplo, podem oferecer certa proteção. Poucos lugares no mundo, como no Chile e no Chipre, permitem plantar uma vitis vinífera diretamente. Em todo o mundo, é indicado que a vitis americana brote da terra sendo enxertada por uma vitis vinífera.



Sobre a autora: Caroline Dani é gestora executiva da ABS-RS. Possui graduação em biomedicina pela Universidade Feevale (2004), mestrado (2006) e doutorado (2008) em biotecnologia pela Universidade de Caxias do Sul (2006). Pós-doutorado na Georgetown Lombardi Comprehensive Cancer Center na Georgetown University, Washington, DC, EUA. Sommelier pela ABS-RS. Atualmente é professora convidada do programa de pós graduação em farmacologia e terapêutica na UFRGS. Professora do CIAS innovation e da ABS-RS. Fundadora do Instituto Dra Uva. Atua junto ao setor da uva e do vinho auxiliando em projetos diversos e na elaboração de materiais para divulgação dos benefícios dos derivados da uva à saúde humana. Já orientou inúmeros trabalhos de conclusão de curso e dissertações de metrado abordando o tema derivados da uva e saúde. Atua junto a diversos cursos da graduação nas disciplinas de elaboração de projeto de pesquisa e bioestatística, possuindo larga experiência em pesquisa científica e todas as suas abordagens estatísticas e éticas. Possui diversas publicações em periódicos internacionais especializados.

Σχόλια


LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA TAMBÉM LEIA

Frame (2).png
bottom of page